Coluna do RK- Bastidores da Política Nacional e Regional

Por Roberto Kuppê (*)

Covid 19

Israel Lessa, ex-Superintendente do Trabalho em Alagoas

Assim como as 26 unidades da federação, o Estado de Alagoas decretou Quarentena devido ao agravamento da proliferação do COVID-19 na região, porém alguns profissionais precisam estar nas ruas em defesa da população. Sendo eles da saúde, motoristas e cobradores, funcionários das redes de supermercados e farmácias e também profissionais responsáveis pela limpeza urbana. Mas a principal preocupação é se esse grupo está recebendo suporte para que possam se prevenir contra o vírus. Os rodoviários compõem outra categoria que também estão nas ruas expostos aos riscos da pandemia, pois continuam circulando por toda capital, transportando por dia centenas de pessoas por hora. Para Israel Lessa, ex-superintendente do trabalho em Alagoas, a situação desses profissionais necessita de atenção do governo do Estado. “A população está sofrendo com a Quarentena, não temos estruturas e nem saúde financeira para pausar nossas atividades. Tem sido um período difícil mas precisamos de reforços, para que os trabalhadores que estão nas ruas pelo bem da população possam estar protegidos e continuem desempenhando o papel deles que é tão importante nesse momento”, afirma. Israel chama a atenção das autoridades para que possam dar atenção a esse gigantesco grupo de trabalhadores que estão nas ruas em meio a pandemia do COVID-19. “Nós precisamos proteger esses profissionais que estão nas ruas. Sem eles não vamos conseguir enfrentar esse vírus e nem essa crise. Vamos juntos passar por essa fase, respeitando as regras e os profissionais que estão lutando lá fora”, conclui.

Bolsonaro não governa mais

A cara constrangida de Mourão

O presidente da República, Jair Messias Bolsonaro (Patriotas) não governa mais. Não manda nem mesmo na própria esposa. Os 27 governadores estão se rebelando um a um. Até o vice-presidente, General Mourão (PRB) não está aprovando as atitudes intempestivas de Bolsonaro. Ontem, quando o presidente vociferava contra o governador de São Paulo, João Dória (PSDB), Mourão estava visivelmente contrariado, fazendo gestos com a cabeça de desaprovação.  Dória que não é flor que se cheire, adorou.

 

Caiado fala

“Você não é presidente mais”: Bolsonaro não vai mais comer pequi de Goiás com Caiado. Rompeu com Bolsonaro, a quem chama de ignorante, e se reporta ao STF e Congresso. Ronaldo Caiado iniciou coletiva de imprensa na manhã de ontem dizendo que “na política e na vida a ignorância não é uma virtude”, acrescentando que “Goiás seguirá as decisões da OMS e Ministério da Saúde”. O Governador, que também é médico, perdeu a paciência com o presidente e diz: “Ora, o que é isso? É exatamente querer, nessa hora, colocar na balança o que é mais importante, a vida ou a sobrevivência da economia. Não, nós podemos fazer as duas coisas”.

Caiado fala 2

Caiado rompeu com Bolsonaro publicamente e disse que não respeitará decisões do presidente. A partir de agora, ele somente terá contato com o mandatário do Brasil através de comunicados oficiais. O Governador fez duras críticas às suas declarações sobre os impactos econômicos da crise e seus ataques aos governadores: um “discurso totalmente irresponsável”.

Confúcio também fala

Senador Confúcio Moura, de Rondônia

O senador Confúcio Moura (MDB-RO) fez duras críticas ao pronunciamento feito em rede nacional, na noite de terça-feira (24/03), pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Na ocasião, Bolsonaro defendeu a reabertura do comércio e das escolas, além do fim do confinamento da população. Medidas que vão contra as orientações determinadas pelo Ministério da Saúde, semelhantes às adotadas em países que combatem o Covid-19. Confúcio Moura disse que Jair Bolsonaro entrou num enorme conflito dentro do próprio governo. “De um lado está o Mandetta, ministro da Saúde, que fala uma coisa técnica e científica, e implementa isso. Do outro lado, ele não discorda publicamente, até elogia, mas fala diferente. Com isso, causa uma confusão interna”, explicou o senador. De acordo com o parlamentar, os governadores de quase todos os estados estão se manifestando e fazendo represálias. Confúcio Moura explicou que o presidente está perdendo apoio, inclusive de aliados, como o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), além de outros com discursos mais radicalizados.

Efeito Coronavírus

Milhões de brasileiros já viviam na extrema pobreza antes da pandemia. Agora vai ficar pior. Por isso, urge que o presidente Bolsonaro (ou o que resta dele) desça do palanque eleitoral (ele ainda está nas eleições de 2018), e faça logo o dever de casa. Milhões de brasileiros vão passar fome nos próximos dias se nada for feito agora, já.  Duplique o valor da Bolsa Família para todos os beneficiados. Muitos pais de família que viviam de bico ou trabalho informal estão em casa agora sem saber o que fazer. Milhões de estudantes estão sem merenda escolar. Vai ser uma tragédia anunciada. Que se reabram os restaurantes populares fechados. Pelo amor de Deus!

Plano de Contingência

Após o advogado Fabrício Jurado cobrar em público pelas redes sociais, o governador de Rondônia, Marcos Rocha (Patriotas), finalmente, apresentou o Plano de Contingência ao Coronavírus. O governo de RO definiu a ativação do Comitê Estadual de Enfrentamento ao Coronavírus (COVID-2019) de Rondônia – CEEC/RO. Este documento apresenta o Plano de Contingência Estadual para Infecção Humana do Coronavírus (COVID-2019), o qual está em consonância com o Plano de Contingência Nacional para Infecção Humana pelo novo Coronavírus(COVID-2019) que, em caso de surto, define o nível de resposta e a estrutura de comando correspondente a ser configurada, em cada esfera e nível de complexidade. Veja abaixo:

Plano de Contigencia Rondonia Coronavirus Versao II – 06.03.2020

 

Mas…..

Governador de Rondônia paramentado

O coronel catapultado à cena política pela onda bolsonarista fez o contrário do que decidiram 26 governadores em videoconferência nesta quarta-feira, 25, em resposta ao pronunciamento em que o presidente Jair Bolsonaro estimula os brasileiros a desafiar a quarentena contra o coronavírus. Os governadores apresentaram várias propostas e cobranças, entre elas, a aplicação de lei que prevê renda básica para todos os brasileiros. Todos, inclusive ele que participou da reunião virtual,  se comprometeram a continuar adotando medidas de acordo com as orientações de profissionais de saúde e da Organização Mundial de Saúde (OMS). Marcos Rocha foi na contramão, flexibilizou o decreto que teria efeito até o dia dois de abril. Com a alteração está liberado o funcionamento de funerárias, comércio de produtos ligados a agroindústria, obras e serviços de engenharia, manutenção e limpeza, hotéis e hospedarias, escritórios de contabilidade, lojas de materiais de construção, borracharias e restaurantes às margens de rodovias. O Decreto estadual irá se sobrepor a qualquer Decreto municipal, de forma que os Prefeitos deverão cumprir a orientação estadual, pois a ideia do Governo do Estado é voltar a rotina normal da vida no Estado, mesmo que com algumas limitações pontuais por um período.

 

 

(*) Roberto Kuppê é jornalista e articulista político

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*