Coronavírus – Pandemia tem impactado positivamente o mercado e-commerce

Saiba quais os serviços e produtos mais consumidos pelas pessoas na quarentena

A pandemia de COVID-19 tem sido o tema mais tratado no mundo. Esse problema de saúde global tem gerado nas pessoas medo, feito com que reflitam sobre hábitos de higiene, hábitos de saúde, sobre o comportamento de compra, etc.

Hoje, as pessoas querem evitar ao máximo a compra em lojas físicas e já foi decretado em diversos estados a utilização do serviço delivery para diversos segmentos de negócios, como alternativa para que continuem funcionando. Essa se torna uma oportunidade de crescimento para o mercado e-commerce.

A comodidade de comprar produtos sem ter que sair de casa, minimizando os riscos de contaminação, tem atraído cada vez mais consumidores ao redor do mundo. Nos Estados Unidos, por exemplo, a demanda das empresas Amazon, Walmart e Instacart cresceu tanto, que o delivery expresso (entrega no mesmo dia), não tem sido possível.

Surto de coronavírus como oportunidade para as vendas online

Só no Brasil, o mercado e-commerce está em constante ascensão. Segundo dados da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico, em 2010, o crescimento nesse setor foi de R$ 16,8 bilhões, já em 2019, esse número foi para 75,1 bilhões.

A ordem para que as pessoas mantenham o isolamento para evitar a contaminação em massa pelo novo coronavírus, tem feito com que recorram à internet para a compra de produtos farmacêuticos, alimentos, livros, roupas, entre outros.

O comércio online diante desse aumento de demanda tem de enfrentar o desafio de tornar os seus serviços cada vez mais eficientes, orientando, inclusive, o novo público sobre os benefícios da compra online.

Serviços mais consumidos por conta da pandemia do novo coronavírus

Devido ao isolamento, inúmeros serviços e produtos têm se destacado em meio aos consumidores, como é o caso da Netflix, dos serviços de canais por assinatura, da Amazon (principalmente na venda de livros impressos e digitais), dos serviços de delivery de restaurantes, etc.

Além das marcas e serviços já existentes, há inúmeras surgindo no mercado, como é o caso da brasileira Universo Books (https://biquaracontents.us18.list-manage.com/track/click?u=e87aa10861bc1266585bb9602&id=12b3fbd0e5&e=e7f08faa5d) , voltada para a venda de livros novos e usados por menores valores. Os jornalistas Carlos Deanhaiha e Daiana Barasa, encontraram no momento da quarentena a oportunidade para começarem um sebo virtual de livros novos e usados.

“Em uma semana de loja conseguimos um faturamento que superou as nossas expectativas, foram mais de cinquenta livros vendidos. Acredito que em casa e com mais tempo, as pessoas estejam mais interessadas em leituras, em maneiras de entretenimento que as façam se desligar um pouco da tensão do problema”, acredita Deanhaiha.

Já a jornalista e escritora Daiana Barasa, viu na loja virtual a possibilidade de também divulgar as suas obras literárias, sendo a mais recente, Mulher Quebrada, uma das mais vendidas em Portugal em 2019:

“Aproveitando esse momento em que as pessoas estão mais voltadas à reflexão, também vejo na temática do meu livro, uma maneira de ajudá-las na ressignificação de uma série de questões em suas vidas.”

Espera-se que durante essa fase em que é preciso o afastamento da aglomerações de pessoas, as vendas online cresçam cada vez mais e talvez, a partir desse novo comportamento, um novo hábito de consumo seja criado.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*